Arcade Fire – Everything Now (2017)

por Juliano Canvas

Quem procurar por resenhas críticas sobre o novo álbum do Arcade Fire vai se deparar com dezenas de textos não muito elogiosos sobre esta coletânea composta por trezes faixas muito díspares entre si e que evocam um senso de descomedimento, bagunça, incoerência e insubstancialidade, considerando apenas os adjetivos mais moderados que estão sendo atribuídos ao novo disco dos canadenses. Agora, procure por críticas sobre os quatro álbuns anteriores da banda e o consenso é geral: obras-primas. Nada mais natural, levando em conta que os quatro discos anteriores ao Everything Now são obras massivas que evocam a grandeza de grandes álbuns do passado, obras do Bowie, do David Byrne, do Blondie (e aqui a lista de referências poderia se estender à exaustão) que são, até os nossos dias, consideradas os pilares da música popular contemporânea, bajuladas mesmo pelos mais rabugentos e inconformistas dos críticos especializados.

O Arcade Fire vem, desde o início, sendo tanto elogiado quanto atacado pelo que o público, críticos ou ouvintes descompromissados, tem chamado de ambição ou pretensão. Afinal de contas, não é todos os dias que aparece uma banda formada por adolescentes sem vergonha de dizer que querem ser a maior banda de todos os tempos. Ainda assim, não deixamos de gastar nosso dinheiro e nosso tempo com este bando de  arrogantes (dê todo seu dinheiro pra mim, eles dizem, e é isso mesmo que a gente faz), e eles, os Arcade Fire, mostram neste novo álbum que estão muito conscientes de que somos nós, os que ouvem os álbuns que a banda tem lançado desde 2014, os eternos pretensiosos e descontentes que nunca estão satisfeitos com aquilo que tem: tudo. Temos todos os filmes de todos os tempos, todos os livros bons e os ruins, podemos escolher quem queremos ser e opinar sobre qualquer coisa… Tudo está ao alcance de um clique.

A banda faz, em Everything Now, o que poucos tem coragem de fazer em nossos dias: admitem que são tão tolos quanto nós, o público, donos de si mesmos sentados em nossas cadeiras confortáveis e esbravejando contra o mundo através do computador, preocupados com dinheiro e com a falta de coerência em um mundo que nunca teve sentido, glorificando um passado que nunca existiu ao mesmo tempo em que criamos um mundo ainda menos consistente e cada vez mais feio e insuportável, responsabilizando os outros pelas cagadas que fizeram com o planeta quando os outros somos nós. Os canadenses estão, pela primeira vez, rindo de si mesmos –  não para reverter a ideia de que são os ambiciosos que sempre foram acusados de ser,  mas porque assim estão também rindo de nós e da nossa ridicularidade.

Everything Now tem tudo o que se espera de um álbum do Arcade Fire, de músicas dançantes  para ouvintes solitários a faixas com sonoridade mais agressiva, tudo embalado pelo que talvez se torne o maior hit da banda. Um álbum pra ouvir no repeat.

Vai fundo que vale a pena!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s